Pois é. Crise de identidade é um problema...

27.10.03

... um spray

Não aperta aí, não! Não aperta aí, não! Não aperta aí, não!!!

A

A

A

A

Atchin!!!

...

Eu avisei!

12.10.03

uma borracha

Por favor, por favor, por favor...

NÃO ERRE!!!

Não de novo. Não mais uma vez. Tenha piedade!!!

A cada erro que você comete, é uma parte de mim que vai embora. A cada mudança de opinião sua, é um pedaço de mim que se desfaz. A sua indecisão, a sua insegurança, o seu pensamento cada vez mais efêmero, acaba comigo aos poucos...

Será que você não percebe? Será que você não se importa?

Ou... ou será que...

... minha única função na sua vida é impedir que o mundo conheça os seus erros?

!!!

Estou sendo usada!!!

um anão

Anão! Aaaaaanão!

Ah! Não!

Não!

1.10.03

... um porta retrato.

Nunca imaginei que um porta retrato, como eu, pudesse ser tão amado. Lembro quando minha dona me comprou, me levou para casa e abriu a embalagem. Ficou um bom tempo acariciado minha moldura prateada, com um sorriso lindo nos lábios. Depois colocou uma coisa em mim, o que me fez um pouco de cócegas. Me deixou na sua mesinha de cabeceira, e toda a noite ficava me olhando com os olhos brilhantes, me dando beijinhos apaixonados. Às vezes dormia agarrada comigo, e eu recitava poesias sobre o nosso amor, enquanto ela me apertava contra o peito. Foram os dias mais felizes de minha vida. Um dia ela me agarrou forte, sentou sobre a cama e começou a chorar. Podia sentir as lágrimas quentes batendo em meu vidro. Procurei acalmá-la, falando o quanto estava apaixonado e o quanto era bonita a nossa relação, mas ela parecia não me ouvir. No dia seguinte, acordou e me bateu forte contra a mesinha de cabeceira, me deixando deitado o dia inteiro. Agora, faz quase uma semana que ela me deixou virado para parede. Não sei onde eu errei, se falei algo indevido, impróprio... Tento pedir desculpas, perguntar o que aconteceu, estabelecer um diálogo qualquer, mas ela não me dá ouvidos... Não me escuta...